terça-feira , 12 dezembro 2017
Capa » Saúde Integral » O Ser Integral – A Meditação e a Cura de Doenças

O Ser Integral – A Meditação e a Cura de Doenças

A atitude transdisciplinar aplicada a Saúde e Sustentabilidade

Uma abordagem multidimensional:

 A importância da Meditação

meditacao 1Diante do aumento demográfico da população idosa no mundo, constatamos que a medicina baseada numa concepção mecânica de homem não se mostra suficiente e satisfatória. Por ser um método topográfico, que é acionado quando o médicoidentifica qual a parte doente do corpo, ao que se segue um diagnóstico e consequentemente um tratamento, decorre assim uma somatória de prescrições diante da multiplicidade de diagnósticos. (1)

Como a maioria dos idosos tem mais de um diagnóstico (75%), ocorre o sério problema da poli farmácia (como é conhecida a sobreposição de vários medicamentos simultâneos em um mesmo indivíduo), cujos efeitos colaterais levam a internação hospitalar cerca de 12% dos idosos tratados. Além deste índice de internações, 80% dos idosos tratados pela medicina convencional, têm pelo menos 1 efeito colateral em seu tratamento! (4)

Além disso, o estudo epidemiológico sobre o envelhecimento, demonstra que a principal causa de perdas funcionais na velhice, em decorrência das doenças crônicas, é o estilo de vida, que resulta de fatores multidimensionais como escolhas alimentares, hábitos de sono e ritmo de vida, crenças, postura e atividade física, etc. (2;3)

Em função disso, mudar do modelo mecânico newtoniano, adotado pela Medicina Convencional, desde a perseguição aos pensadores sistêmicos realizada pela Inquisição no final do primeiro milênio, para uma concepção multidimensional inspirada na física quântica contemporânea, foi fundamental para compreender melhor o processo de adoecer do ser humano.(5)

Neste modelo, que considera as dimensões: física (órgãos e sistemas), metabólica (fluido composto por sangue e linfa que integra e comunica os sistemas), vital (relacionado aos ritmos do corpo: sono, apetite, excreções, respiração, etc.) mental (postura física e atitude mental diante da realidade interna e externa) e supramental (espiritualidade como “arquivo” da missão essencial e da Individualidade do ser humano), pode-se identificar uma cascata de causalidade descendente (5) que se inicia quando a pessoa se desconecta de sua vocação essencial (dimensão supramental ou espiritual) e constrói modelos mentais de vida ancorados numa percepção ilusória da realidade com valores circunstanciais como a ambição material baseada no poder alcançado pela violência, conhecido como Androcracia. Esta atitude de exploração baseada no desrespeito pelo outro e na dominação da Natureza é a principal causa da insustentabilidade que aflige o mundo contemporâneo.(6)

Ao recorrermos a um protocolo terapêutico que valoriza e intervém em todas estas dimensões são criadas as condições para que a cura aliada ao bem estar sejam despertadas na pessoa (7). Em ensaios clínicos corporativos realizados utilizando-se este procedimento multidimensional obtivemos a cura de doenças crônicas decorrente da transformação de padrões patogênicos nos vários níveis da pessoa.(8)

Quando tomamos como exemplo a Hipertensão Arterial Sistêmica Essencial (HA), assim chamada porque afeta a totalidade da economia do organismo sem que se encontre um distúrbio anatômico para justificá-la (=essencial), detectamos claramente o fenômeno da causalidade descendente atuando.

Num ensaio clínico realizado numa grande organização brasileira do comércio varejista de eletrodomésticos, onde as metas de venda acabam sendo interpretadas pelos gerentes de venda como fonte de pressão psicológica, pôde-se verificar que a atitude mental associada à HA era de preocupação fazendo com que o trabalhador mantivesse sua atenção mental focada no futuro, alienando-se do presente e de suas necessidades essenciais atuais.

Esta situação acarretava um distúrbio postural de anteriorização em relação ao eixo da gravidade (inclinação para frente de todo o corpo) numa atitude física de prontidão para a ação.

A vitalidade destas pessoas se encontrava severamente comprometida com prevalência aumentada de insônia, com o sono interrompido e não reparador. O ritmo da vida apresentava-se distorcido: a respiração, normalmente diafragmática e em 4 tempos (inspiração, pausa inspiratória, expiração, pausa expiratória), apresentava-se curta e sem pausas. Existem evidências científicas que a correção artificial do ritmo respiratório melhora a HA.(9; 10) Também o apetite e o atendimento às necessidades fisiológicas (intestino preso) estavam afetados.

O metabolismo apresentava-se alterado, com altos índices plasmáticos de homocisteína e ferritina decorrentes de uma obstinada e ansiosa ingestão de carne vermelha associada a um hábito alimentar pervertido.

Este complexo quadro sistêmico culminava com o surgimento da doença cardiovascular crônica.

Observa-se assim, como o estilo de vida e as escolhas cotidianas, se convertem em doença crônica, como revelam as pesquisas epidemiológicas sobre o envelhecimento (1, 2, 3).

Para intervir de forma eficaz neste quadro, necessita-se de uma ferramenta como a meditação, entendida como uma metodologia científica de mudança voluntária do modo de operação cerebral, reconhecida desde os anos 60.

No estado de consciência meditativo, as ondas eletroencéfalográficas beta, do estado de vigília habitual, sedem lugar para ondas teta, delta e gama, características do sono profundo, que passam a ocorrer em estado de alerta possibilitando a reconexão do praticante com as dimensões causais da realidade representadas por uma sutil rede de padrões sistêmicos que formata, por meio de informações, a matéria e a energia. (11;12)

Esta condição já era referida na Bíblia quando se refere ao Verbo que existia no princípio e se fez carne, ao mesmo tempo em que relata que Deus disse (emitiu uma informação): Faça-se a luz!A mente meditativa se conecta ao universo simbólico reconhecendo imagens carregadas de significado. Essa constatação sugere a compreensão do mecanismo de ação dos procedimentos que se valem de técnicas imaginativas (como as visualizações), que costumam ser tão benéficas no resgate da saúde. A consultora de manejo animal Temple Grandin relata que sua mente autista “pensa” em imagens, assim como fazem os animais, e, desta forma, consegue compreendê-los e se comunicar com eles (13). Penélope Smith confirma a importância da mente aquietada e das imagens na comunicação com os animais (14), assim como a equitadora Sylvana Smith em seu artigo “The Mental connection” (15), ressalta a importância de se comunicar com os cavalos por meio de imagens e não frases mentais.

Nosso cérebro é equipado com dispositivos de acesso a rede de padrões informacionais sistêmicos, preconizados pelo físico austríaco Fritjof Capra como o sustentáculo da sustentabilidade universal (16), estudos realizados com SPECT (Single Photon Emission Computed Tomography) por Dr. Andrew Newberg e Eugene D’Aquili, evidenciam que o hemisfério direito se ativa no momento em que meditadores experientes entram em estado de profunda quietude e silêncio, conectando-se com o que poderíamos chamar de plano essencial. A neurocientista americana, Jill Taylor, ao se recuperar de um acidente vascular encefálico que afetou seu hemisfério esquerdo, pode experimentar a plenitude das funções cerebrais do hemisfério direito e as descreve em detalhes no seu livro (17).

Este processo de reconexão do ser humano com esta dimensão espiritual ou causal da Realidade, possibilita o realinhamento de alguém com sua vocação essencial alinhada com o projeto cósmico de realização universal que resulta em ações sustentáveis, como se constatou nos resultados obtidos pelo Programa de Desenvolvimento Humano realizado no SEBRAE-MT em 2008, utilizando-se, além de recursos como a meditação o método fenomenológico de Goethe, que possibilita aopraticante, o acesso à rede informacional que dá suporte a realidade concreta.

Esta condição de sintonia era, como sugerem evidencias arqueológicas obtidas na Grécia, época cultural conhecida como Europa Antiga e na Amazônia (18,19), a estrutura cultural das civilizações primitivas, onde o espírito feminino de parceria entre ser humano e Natureza prevalecia e possibilitou o sucesso da espécie na sua jornada de sobrevivência no Planeta por centenas de milhares de anos.

É curioso que esta fase primeva de liderança feminina é lembrada na tradição oral das tribos amazônicas!

O resgate da cultura de parceria apresenta-se como um pilar fundamental na reconquista da sustentabilidade pessoal e planetária. Para tanto a contemplação dos fenômenos e tomada de decisões ancoradas nas funções do hemisfério encefálico direito (acessado pela meditação e outras técnicas contemplativas como as utilizadas na fenomenologia Goethiana) apresenta-se como etapa fundamental do resgate da saúde, bem estar, realização e cultura de paz e prosperidade.

Uma forte evidência deste fenômeno é observada em grupos de idosos que meditam, nos quais a reconexão com a dimensão supramental, viabilizada pela meditação, favorece o resgate da missão essencial da vida e possibilita o ressurgimento da motivação pela vida acompanhada da cura de doenças crônicas (por exemplo: hipertensão arterial, diabetes e até glaucoma!), assim como o resgate do bem estar e qualidade de vida na medida em que são retomados, e realizados, antigos projetos de vida.

Esta cascata de causalidade, da dimensão supramental até a física foi demonstrada pelo ensaio clínico realizado em 2010/2011 com cerca de 140 idosos do bairro de São Matheus (periferia da cidade de São Paulo) no qual, os participantes voluntários foram treinados em meditação e convidados a praticá-la em 2 períodos de no mínimo de 20 minutos cada vez, ao dia.

O ensaio se deu com dois grupos de 70 participantes, um em 2010 e o outro em 2011. Os resultados foram compilados em 2 subgrupos: Os que declararam meditar pelo menos uma vez ao dia e os que praticavam apenas uma vez por semana no encontro coletivo realizado no auditório do Hospital Geral de São Matheus.

As tabelas abaixo sintetizam os resultados obtidos por meio de entrevistas individuais realizadas por profissionais de saúde treinados, aplicando um questionário padronizado.

Os efeitos se referem ao percentual de participantes que apresentaram melhora nos itens relativos a cada uma das dimensões estudadas:

Mental: memória e humor
Transição Mental/Vital: postura
Vital: respiração, sono, hábito intestinal, disposição
Metabólico: hábito alimentar
Físico: melhora clínica da dor e de doenças crônicas

1º subgrupo: Meditaram no mínimo uma vez ao dia                                                                        

1º Grupo 2010

 

2º Grupo 2011

MEMÓRIA 18 (30,51%)   MEMÓRIA 18 (44,79%)
HUMOR 42 (71,19%)   HUMOR 27 (75,86%)
POSTURA 42 (71,19%)   POSTURA 37 (83,63%)
RESPIRAÇÃO 38 (64,41%)   RESPIRAÇÃO 34 (76,60%)
SONO 34 (57,63%)   SONO 25 (69,55%)
HÁBITO INTESTINAL 22 (37,29%)   HÁBITO INTESTINAL 16 (45,47 %)
DISPOSIÇÃO 37 (62,71%)   DISPOSIÇÃO 26 (72,71%)
ALIMENTAÇÃO 34 (57,63%)   ALIMENTAÇÃO 16 ( 42,93%)
DORES FÍSICAS 34 (57,63%)   DORES FÍSICAS 11 (36,66%)
DOENÇAS CRÔNICAS 27 (45,76%)   DOENÇAS CRÔNICAS 23 (56,96%)

É possível observar que os efeitos registrados seguem a cascata de causalidade: partindo da dimensão mais sutil (mental/psiquismo) para a mais densa (física).

Estes dados são corroborados pelos depoimentos dos participantes, que referiam comentários dos familiares e amigos sobre mudanças ocorridas nos comportamentos, crenças, hábitos e atitudes sociais.

A postura física tornou-se mais ereta sem que tenha ocorrido intervenção fisioterápica repercutindo na melhora das dores de origem postural.

No campo da vitalidade o sono melhora e torna-se reparador, alem de ter ocorrido melhora do hábito intestinal e da disposição para as atividades cotidianas.

A população estudada era predominantemente oriunda do Nordeste brasileiro, onde o hábito alimentar carnívoro predomina. Vários depoimentos revelaram que a atitude à mesa se transformou espontaneamente, aumentando a ingestão de alimentos de origem vegetal (cereais, verduras, legumes e frutas) acompanhado do decréscimo na ingestão dos de origem animal (especialmente carne vermelha).

Finalmente, a “onda de causalidade” alcança a dimensão Física reduzindo a incidência de doenças crônicas como o diabetes: participantes referiam que se sentiam tontos quando faziam uso dos hipoglicemiantes orais que estavam habituados, demandando uma redução, e eventual interrupção do uso dos recursos farmacológicos, já que a glicemia havia se normalizado. Resultados semelhantes foram registrados diante da hipertensão arterial e até mesmo do glaucoma, dentre outras situações como distimia, depressão, ansiedade, insônia, etc.

2º subgrupo: Meditaram apenas uma vez na semana                                                                             

1º Grupo 2010

 

2º Grupo 2011

MEMÓRIA

————–

  MEMÓRIA

2 (40%)

HUMOR

3 (27,27%)

  HUMOR

2 (40%)

POSTURA

4 (36,36%)

  POSTURA

2 (40%)

RESPIRAÇÃO

4 (36,36%)

  RESPIRAÇÃO

1 (20%)

SONO

3 (27,27%)

  SONO

2 (40%)

HÁBITO INTESTINAL

2 (18,18%)

  HÁBITO INTESTINAL

————–

DISPOSIÇÃO

————–

  DISPOSIÇÃO

2 (40%)

ALIMENTAÇÃO

5 (45,45%)

  ALIMENTAÇÃO

1 (20%)

DORES FÍSICAS

1 (9,09%)

  DORES FÍSICAS

2 (40%)

DOENÇAS CRÔNICAS

————–

  DOENÇAS CRÔNICAS

1 (20%)

A segunda tabela mostra que a mesma tendência de resultados é observada no grupo que medita apenas uma vez por semana porém o alcance é menor sugerindo que a prática disciplinada e diária (como ensinam as tradições) é necessária para que a plenitude dos resultados seja obtida.

Finalmente, observa-se que os resultados se reproduziram na segunda turma (realizada em 2011) sugerindo um caráter de reprodutibilidade ao procedimento, qualificando a meditação como um possível recurso a ser incorporado nas políticas publicas em Saúde Coletiva.(20)

Outra evidência, agora registrada no mundo corporativo, é de que, executivos que meditam começam a produzir projetos sustentáveis num processo de respeito ao colega de trabalho e parceria com a Natureza, ao mesmo tempo em que se tornam mais felizes, realizados e saudáveis!

A transdisciplinaridade é a atitude cientifica contemporânea que, reconhecendo a complexidade dos fenômenos assim como a multidimensionalidade da realidade, se dispõem a buscar soluções sustentáveis nos estratos mais sutis e causais (informacionais) da realidade o que possibilita encontrar situações de genuíno consenso coletivo, por meio da inclusão e respeito às diversidades, potencializando a utilização dos conhecimentos disciplinares de forma sinérgica e transformadora (21).

Esperamos que a disseminação desta atitude possa resgatar a dignidade da espécie humana recuperando a possibilidade de sua sobrevivência harmônica e pacifica no Planeta.

Por Fernando Bignardi

Bibliografia

1. Ramos, L.R.:A mudança de Paradigma na saúde e o Conceito de Capacidade Funcional, Geriatria e Gerontologia,Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP – EPM,2005 Cap 1,pg 6.
2. Two-year folow-up study of elderly residents in São Paulo,Brazil (Epidoso Project): methodology and preliminary results”. Revista de Saúde pública33(5):397-407, 1998
3. Lima-Costa, M. F. F.; Uchôa, E.; Guerra, H. L.; Firmo, J. O. A.; Vidigal, P. G. & Barreto, S. M.: The Bambuí Health and Ageing Study (BHAS). Methodological approach and preliminaryresults of a population-based cohort study of the elderly in Brazil. Revista de Saúde Pública, 2000b, 34:126-135.
4. Passarelli, MC,Jacob-Filho W, Figueras A :Adverse drug reactions in an elderly hospitalised
population: inappropriate prescription is a leading cause. Drugs & Aging. 2005;22(9):767-7.
5. Goswami, Amit . A Janela Visionária, cap.9, 2000 (ed. Cultrix, WHH ,SP)
6. Riane E.: “0 Cálice e a Espada nosso futuro, nosso passado”; 2007 Ed. Palas Athena
7. Benson, H; Stark, M: Medicina Espiritual 1998 Edições Campos; pág 9
8. Bignardi, FAC; Ramos, LR: Protocolo de Medicina Transdisciplinar, Congresso Mundial de
Transdisciplinaridade, 2005, Vila Velha Brasil
9. Drager LF, Pedrosa RP, Diniz PM, Diegues-Silva L, Marcondes B, Couto RB,Giorgi DM, Krieger EM, Lorenzi-Filho G. The Effects of Continuous Positive Airway Pressure on Prehypertension and Masked Hypertension in Men With Severe Obstructive Sleep Apnea. Hypertension. 2011 Jan 17. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 21242462.
10. Durán-Cantolla J, Aizpuru F, Montserrat JM, Ballester E, Terán-Santos J,Aguirregomoscorta JI, Gonzalez M, Lloberes P, Masa JF, De La Peña M, Carrizo S,Mayos M, Barbé F; Spanish Sleep and Breathing Group. Continuous positive airway pressure as treatment for systemic hypertension in people with obstructive sleep apnoea: randomised controlled trial. BMJ. 2010 Nov 24;341:c5991. doi: 10.1136/bmj.c5991. PubMed PMID: 21106625
11. Anand,B; Chhina,G: Investigations on Yogis claming to stop their Heartbeats. 1961 Indian
Journal of Medical Research 49:90-94.
12. Green,E &A: Beyond Biofeedback 1977. New York, Dell
13. Grandin T., Johnson C. Na Língua dos Bichos, 2006. Ed. Rocco
14. Smith P. Linguagem Animal, 2004, Ed Mercuryo
15. Smith S.: Advancing the mental connection; Ecletic Horse issue 10. 2003
16. Capra F. As Conexões Ocultas: Ciência para uma vida sustentável, 2001 Ed Cultrix
17. Taylor, J B “A Cientista que curou seu próprio Cérebro”2008, Ediouro
18. Gimbutas, Marija. The Goddesses and Gods of Old Europe. Berkeley: University of CA Press,
1996
19. Neves, E G: Arqueologia da Amazônia. 2006, Jorge Zahar Editor
20. Bignardi,FAC.;Oliveira MCG, Silveira KF, Barroco MFC, Ferraz D, Amorim MVMF, Oliveira MGT, Ferraz MAJ, Oliveira RA, Santana L, Cunha MS, Muller W.: ENSAIO CLÍNICO SOBRE OS EFEITOS DA MEDITAÇÃO APLICADA A UMA POPULAÇÃO IDOSA DE SÃO MATEUS. II Simpósio Internacional de Práticas contemplativas e Medicinas Tradicionais da UNIFESP, 2010
21. Bignardi, FAC et col: 1ª Jornada de Transdisciplinaridade aplicada a Saúde da UNIFESP 2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE