terça-feira , 12 dezembro 2017
Capa » Conhecimentos » Princípios da Psicologia Quântica – A Consciência e o Quantum

Princípios da Psicologia Quântica – A Consciência e o Quantum

Consciência e o Quantum: a Ciência da Experiência, Psicologia e Espiritualidade

Por

Amit Goswami

Centro de Ativismo Quântico, Eugene, OR 97402

Maos de Escher

As suas experiências são relevantes? A sua consciência é relevante? Você tem o livre arbítrio para escolher a mudança e a criatividade para manifestá-la? Você é capaz de processamento inconsciente? Como você pode fazer seus pensamentos e sentimentos mais congruentes? Você pode se concentrar na sua intuição e usar como convite a uma consciência mais elevada? Mais importante você pode integrar todas as suas facetas e se tornar congruente entre a sua experiência interna e o comportamento externo, algo parecido com o que algumas pessoas chamam de iluminação espiritual? Espiritualidade pode ser perseguida além da maturidade psicológica?

A ciência baseada na experiência quântica que estou propondo neste artigo, diz que sim a todas estas perguntas.

Mesmo o cenário empírico, revela a relevância de suas experiências internas. No passado, os materialistas científicos poderiam resmungar, dizendo que essas experiências internas são muito sutis, não podem ser científicas, porque não podem ser medidas, eles diriam. Hoje, podemos medir seus pensamentos e sentimentos, sua paisagem interna pode ser quantificada, não há razão para ficar na defensiva.

Algumas décadas atrás, o materialista científico, friamente poderia impedi-lo na sua busca por uma vontade livre da consciência não material, citando o paradoxo da interação da dualidade: como é que uma consciência imaterial interage com a matéria? Tais interações requerem sinais de troca de energia. Mas, a energia nunca sai ou entra no mundo físico vindo de fora, meu amigo, os materialistas diziam com aquele sorriso presunçoso de ceticismo inteligente. Você está sofrendo com a doença mental criada pelo paradoxo da lógica chamado dualismo. Mas, hoje a ideia de comunicação sem sinais é fato empírico para ambos os objetos submicroscópicos, através das experiências de Alain Aspect, em 1982, com os cérebros humanos e o experimento de Grinberg-Zylberbaum em 1994, os dois muitas vezes duplicados. Isso é chamado de não-localidade quântica, uma parte integrante da física quântica que Einstein e seus colaboradores teorizaram tão cedo, em 1935. Como é que a sua consciência pode comunicar a sua vontade ao seu cérebro? Através da não-localidade quântica. Há sutilezas deste tipo de resposta, sem dúvida, você tem que ler mais artigos e livros para ter todas as suas dúvidas resolvidas. Mas a mensagem do pensamento quântico deve ser clara. A física quântica está girando em torno de nossos antigos preconceitos e está revolucionando o nosso pensamento científico.

Não se enganem sobre isso. Durante séculos, os defensores do humanismo e da espiritualidade e todos os campeões das filosofias não materialistas sofreram com o paradoxo aparentemente irrespondível do dualismo, mas não mais. Não-localidade também é a resposta sucinta ao famoso problema mente-corpo. Como é que a mente não-material (psique) interagi com o cérebro material (corpo)? Através da não-localidade quântica de nossa consciência. Que o cérebro tem um componente quântico, muitos físicos propuseram, eu mesmo 1993 e, por Henry Stapp Stapp no mesmo ano, por Stuart Hameroff, e mais recentemente por Schwartz. O que é pouco imaginado é que a mente, todo o psiquismo, na verdade é, também, quântico. 

Quais são os conteúdos dos objetos da psique e como sabemos que esses objetos são imateriais e Quânticos?

Nós cientistas fizemos algum progresso real quanto à natureza dos objetos da psique e que nos mostra claramente, que esses objetos não podem ser materiais.

Leve em conta. Durante muito tempo, os pesquisadores de inteligência artificial nos disseram quão perto eles estavam da construção mental, a IA. E agora Roger Penrose, em 1989, mostrou, com base em teorema de Gödel, que os computadores não podem processar significado, uma mente imaterial deve processar significado.

O biólogo Roger Sperry ilustrou isso lindamente. Quando olhamos para uma tela de TV, o que vemos fisicamente deveria ser movimento dos elétrons que a física explica. Mas, o que vemos, com a nossa mente, são os personagens significativos fazendo seu melodrama. Quem dá o significado? É a mente.

Qual é a sensação? Por centenas de anos, sabemos que sentimos algum tipo de energia, chamam de energia vital, mas de quem é movimento? Trabalhos biológicos recentes sobre a criação da forma, por Rupert Sheldrake em 1981 e, meu em 2008, tem demonstrado que os modelos de campos morfogenéticos são necessários para fazer órgãos biológicos e que a energia vital é devido aos movimentos destes campos morfogenéticos vitais.

E nós não podemos melhorar Platão, que esclareceu a natureza da nossa intuição há milênios: o que intuímos são arquétipos do pensamento e sentimento que faz representações da intuição. Exemplos desses arquétipos são: a verdade, a beleza, o amor, a justiça, a bondade, a abundância, o Eu, a integridade, etc. Você pode verificar que as maiorias das nossas profissões mais importantes, estão relacionadas com a exploração desses arquétipos. Por exemplo, os cientistas exploraram a verdade, os artistas a beleza, as pessoas de negócios a abundância, os profissionais da saúde a totalidade, os psicólogos o eu.

Os objetos são da psique quântica? A medicina chinesa tem empiricamente sugerido a complementaridade onda-partícula (que os chineses chamam de yin e yang, respectivamente) os aspectos da energia vital, chi em chinês. David Bohm, em 1951, descobriu um princípio da incerteza para o pensamento, entre o conteúdo ou característica de um pensamento, e de sua direção ou associação. Você pode experimentar por si mesmo e constatar.

É claro que a melhor evidência é o da não-localidade e a descontinuidade de ambos os movimentos, de sentido e significado.

Que tal sobre a natureza quântica do movimento dos arquétipos, por exemplo, o arquétipo da verdade? É um pouco difícil de ver, inicialmente, como a verdade das leis científicas, por exemplo, pode ser qualquer coisa, mas único. Mas eis! Recentemente, os cosmólogos têm especulado sobre multi universos, a fim de explicar o ajuste fino do nosso universo, por exemplo, exibido no princípio antrópico. Então, na verdade, as leis físicas eram as possibilidades e a consciência se encontra neste “direito”, onde vivemos através de fazer muitas tentativas de criação do universo, utilizando várias versões possíveis de leis da física! 

Dicotomias da nossa psique e Psicologia Quântica

Como sobre as outras dicotomias das nossas experiências de que temos tantas: sujeito-objeto, inconsciente-consciente, eu superior, auto-ego, etc.? Tome a dicotomia sujeito-objeto. Para uma mudança, este é um paradoxo insolúvel para o materialismo científico, onde tudo é declaradamente feito de apenas objetos, objetos materiais e suas interações. Mas nós experimentamos nosso cérebro, como um objeto separado do resto do mundo, não é? Objetos que interagem juntos fazem apenas objetos maiores, nunca um sujeito. Então, para evitar o paradoxo do materialismo científico, o sujeito (ou a sua fonte-consciência) deve ser negado qualquer relevância causal, a evidência empírica e até mesmo o senso comum, sem prejuízos. Este é o poder do dogma sobre nós. Nós racionalizamos até o ponto de sacrificar as formas e meios para o nosso próprio funcionamento!

Mas, novamente, não tenha medo, a física quântica está aqui. Na física quântica, os objetos são ondas de possibilidades. E há um lugar especial para o observador no esquema das coisas, ele é chamado o efeito do observador. Apenas na presença de um observador, é que as ondas de possibilidade se tornam partículas de realidade que vemos quando observamos, quando medimos. O que é especial sobre um observador, o seu cérebro que traz o “sujeito” na equação sempre que temos a consciência? A física quântica dá respostas satisfatórias e verificáveis para a questão. Em uma relação hierárquica simples, em que a causa flui apenas por um caminho, objetos permanecem estritamente objetos. No cérebro, alguns dos aparatos, os de percepção e memória, respectivamente, confira – tem uma relação hierárquica emaranhada ou circular, em que a causa flui de duas maneiras, eles fazem um ao outro, é como desenhar as mãos de Escher. E isso faz o milagre que permite que o cérebro, para adquirir a sua auto referência, a consciência se identifica com o cérebro e referindo-se a si mesmo como um “eu” e experimentar ser um “eu”.

Possibilidades quânticas de todos os objetos de nossas experiências residem em “potentia” (uma palavra que denota um domínio da realidade, além do espaço e do tempo, disse a si mesmo Werner Heisenberg, um co-descobridor da física quântica) indivisível de uma consciência transcendente (agora usada para significação não-local). A eficácia causal da consciência consiste em escolher uma faceta particular de todas as possíveis facetas de uma onda de possibilidade. A escolha converte (o físico usa o jargão confuso “colapso”, fique alerta!) possibilidade em realidade. E muito mais. Essa excepcionalidade do cérebro, acima aludido, para realizá-lo em nós a experiência de um sujeito como observamos o objeto, como a dupla polarização da nossa consciência.

Desta forma, a consciência transcendente define o domínio da “potentia” que é o reservatório inconsciente para todos os quatro tipos de nossas experiências, que Freud descobriu – nenhuma divisão da consciência sujeito-objeto no domínio do ser. Nós experimentamos a consciência no domínio manifestado definindo pelos quatro mundos diferentes de manifestação, o que chamamos de consciência. Esta é a visão do olho do pássaro da resolução quântica da dicotomia inconsciente-consciente, por trás de nossas experiências internas.

E não se enganem sobre isso: esse inconsciente não-local é a fonte de seu poder de “causação descendente”, que vocês chamam de livre arbítrio. As religiões não estão totalmente erradas sobre a causação descendente pertencer a um poder superior, exceto que este poder não é separado de nós, somos ele desde que possamos superar nosso ego limitado e condicionado para adotar essa consciência “superior”.

Alerta Duplo! Você cria sua própria realidade pelas escolhas que você faz como alguns divulgadores da quântica nos dizem? Sim, mas só se essas escolhas forem verdadeiramente livres, e isso significa que elas não são feitas a partir do seu ego condicionado, lembre-se disso.

Agora você pode entender que há sabedoria em realização, que tanto o corpo físico grosseiro e da psique sutil, são possibilidades quânticas da consciência (a escolher). A sabedoria é esta. Agora podemos entender por que o mundo material parece externo a nós, somente a psique parece ser interna. A resposta quântica é que, simplesmente, o assunto tem tanto um nível grosseiro – nível macro – qual nossa experiência e um nível micro sutil, que não podemos experimentar sem amplificação para o macro. No nível macro da matéria, possibilidades quânticas, pelo projeto matemático, coisas quase cedem a certeza, uma outra maneira de colocar é que possibilidades quânticas se tornam demasiadamente lentas para expandir, num período de tempo muito curto entre o seu olhar para um objeto e o meu olhar. Assim, basicamente, nós escolhemos a mesma realidade quando olhamos juntos, nossas experiências parecem públicas, fora de nós. Para o sutil interno, em contraste, as possibilidades quânticas nunca abrandam o projeto – não há divisão micro-macro. Assim, as possibilidades que você escolhe podem ser muito diferentes daqueles que eu escolho, o que torna altamente improvável que nós dois vamos escolher a mesma realidade em um determinado momento, o que nos dá privacidade (graças ao projeto), a interioridade da psique.

Só mais uma coisa. Agora você pode entender porque o mundo grosseiro é feito micro-macro. O nível macro da matéria tem fixidez aproximada, é quase newtoniano, o determinismo quase a detém. Isso ajuda a questão de complexidade adequada para fazer representações do sutil.

Anteriormente, introduzi o conceito de campos morfogenéticos vitais como as matrizes de órgãos biológicos. Agora percebo que os órgãos são representações físicas das plantas morfogêneticas. Os famosos chakras são os lugares em nosso corpo físico, onde a consciência não-local colapsa ambos os órgãos na área e os campos morfogenéticos correlatos. Esta é a forma como os chakras estão associados com os nossos principais tipos de sentimentos.

Em linguagem de computador, a representação é o software, muito conveniente para chamar a qualquer momento que quiser usar o sutil nas velhas maneiras já programadas que é naturalmente a maior parte do tempo. Imaginem a confusão, se tivéssemos que depender da peculiaridade das incertezas quânticas para trazer uma experiência sutil passada quando precisamos dela.

É esta capacidade de chamar representações antigas da psique no momento presente para um reexame, que é chamado de autoconhecimento na literatura psiquiátrica, embora seja um pouco equivocado. Autoconhecimento utilizado neste sentido é realmente a consciência de estar consciente (no passado).

Perceba, também, como é inútil para psicologia alternativa desenvolver modelos da psique, sem reconhecer a conexão com os aparelhos de representação das formas físicas.

Eu quero fazer um apelo. Alguns de vocês estão descontentes com a religião que você cresceu com cujos mitos e as imagens já não se aplicam às suas experiências de vida. O cientista materialista explora a fome espiritual que o deixou alimentando, pela cosmologia, o espaço, e as ideias de ficção científica da vida extraterrestre, de um lado e capacidade sem precedentes para conectar com tecnologias (local), como a internet e o celular, por outro lado. Mas a consciência momentaneamente expandida e com conexão local, são apenas um vislumbre da espiritualidade humana.

Um escritor de ficção científica escreveu uma vez que os seres humanos têm duas maneiras de explorar o futuro: abrir o céu ou dois, abrir a mente. Perceba que quanto mais tentamos abrir o céu, mais ele parece ser uma miragem. A Psicologia Quântica está prometendo que abrir a mente não é miragem. Para acordar para o potencial humano completo, que inclui a dimensão espiritual, também temos que aprender a usar nossa conectividade local para explorar a consciência não-local e transformar, temos que atingir a maturidade psicológica além de narcisismo, o mais importante, temos que adotar os saltos quânticos de criatividade. Este é o convite que a ciência quântica da experiência oferece a todos. Mesmo a iluminação espiritual não é deixada de fora do seu alcance. 

Uma Psicologia Quântica Integral: Como isso funciona?

Com certeza parece que o pensamento quântico pode resolver as dicotomias da nossa experiência que nem materialistas, nem alternativas (ao materialismo), os psicólogos podem resolver. Em seguida, deverá ser bastante óbvio para todos, que a integração quântica da psicologia – psicologia quântica seria uma validação para as psicologias alternativas, porque, por si só, estas psicologias não podem nunca chegar a um acordo sobre uma metafísica comum. A maioria deles é pós-materialista, é claro, mas eles tentam ir além do alcance dos modelos materialistas de uma forma que não combinam tanto com o materialismo, ou um com o outro.

A mais antiga das forças da psicologia é a psicanálise e sua enteada psicologia junguiana (que tem um desdobramento pós-materialista, a mais recente profundidade de psicologia). Como mencionado anteriormente, a psicanálise depende crucialmente da ideia do inconsciente, uma ideia que é um anátema para os materialistas científicos. O grande físico do século XX, Richard Feynman chamou a psicanálise de “Psicologia vodu”. O que não podemos entender e não pode incluir na nossa filosofia, nos deprecia; essa é a maneira dos seres humanos.

A física quântica nos dá o elo que faltava para a compreensão e inclui o inconsciente, porque, como realidade quântica inconsciente-consciente, também, tem dois níveis, não manifestado-manifestado. Se postular que o inconsciente e não-manifestado são a mesma coisa e assim se manifestam e consciente, não só volta ideia revolucionária de Freud, mas, também, amplia o escopo da definição freudiana. Para Freud, o inconsciente é realmente o subconsciente pessoal composto por memórias reprimidas e traumas. Isso explica algumas das situações em psicopatologia, mas não todas, como Carl Jung observou há muito tempo. Jung percebeu, em conexão com análise de sonhos, um importante instrumento para a psicanálise, esse inconsciente deve cobrir as repressões coletivas, assim como algumas das simbologias recorrentes dos sonhos, bem, já que algumas simbologias recorrente dos sonhos (os arquétipos junguianos como “a grande mãe”) parece não conhecer fronteiras de raça, cultura , espaço ou tempo. Mais recentemente, os psicólogos de profundidade já se perguntaram em voz alta sobre um “mundo inconsciente”, que abrange as memórias de todas as pessoas em todos os diferentes planetas habitáveis do universo. A Psicologia Quântica inclui todas essas ideias e, em seguida, algumas na sua definição do inconsciente como o reservatório de todas as possibilidades não manifestadas-possibilidades não manifestadas neste momento.

O escopo da abordagem materialista cognitiva / comportamental para a psicologia é limitada, não só porque se ignora o inconsciente, mas, também, porque pode aceitar apenas uma versão muito limitada da criatividade, inventando novos programas que são uma repetição do velho. Psicologia humanista começou com uma visão muito mais ampla do potencial humano para exploração de significado e propósito que se manifestou aqui muito antes, através da evolução biológica. Naturalmente, os psicólogos humanistas introduziram ideias da verdadeira liberdade e da criatividade, como veículos para realizar o potencial humano. É difícil negar a importância da visão humanista do potencial humano, mas, o suporte metafísico adequado tem faltado para a liberdade criativa para alcançar o que for necessário. Fica ai uma dica tentadora de uma consciência mais elevada, mas a relação comum da nossa consciência do ego ao maior, fica tão vago que é difícil de navegar um caminho ou definir um processo para ligar os dois. Sem dúvida, é por isso que o movimento do potencial humano perdeu um pouco do seu vapor cedo.

Psicologia Quântica restaura a visão humanista através do desenvolvimento de uma ciência de todas as nossas experiências, incluindo significado mental e valores intuitivos. Psicologia Quântica, através do conceito de causação descendente e da realidade em dois níveis, nos dá uma teoria da criatividade (Goswami, 1999, publicado) devidamente adequada para enfrentar o desafio humanista. Mais importante, a física quântica dá uma definição clara do eu superior e sua relação com o ego tornando a navegação mais fácil.

O Eu superior é o objeto universal ou a auto experiência de um evento primário criativo, envolvendo o colapso de uma novíssima possibilidade, pela primeira vez. Com experiências repetidas e, lembre-se, cada experiência produz memória, a memória se alimenta de volta na equação quântica de movimento e reduz o seu espectro de possibilidades. Eventualmente para realimentação da memória infinita, a resposta do cérebro quântico torna-se newtoniano e auto associado a esta experiência condicionada, é o ego.

Abraham Maslow estabeleceu outra força de psicologia, a psicologia transpessoal, com a ideia de incluir a espiritualidade como parte do potencial humano. A visão de Maslow era fazer espiritualidade científica, para desenvolver uma ciência da psicologia que vai incluir “tudo o que é o caso.” Mas, na década de oitenta, a psicologia transpessoal deu uma guinada nas mãos de um jovem filósofo chamado Ken Wilber. Wilber desistiu em uma ciência da psicologia que incluiria o espiritual, em vez disso, ele adaptou a “filosofia perene” das tradições espirituais, principalmente do Oriente (e alguns do Ocidente, também), polvilhado um pouco da linguagem da psicologia moderna na sabedoria perene e deu uma direção para a psicologia transpessoal que instantaneamente se tornou popular.

Esta atitude anti-ciência tem persistido em psicologia transpessoal, embora, ironicamente, o próprio Wilber, em seu trabalho mais tarde, deu-se também em sabedoria perene como o reino transcendente da realidade e os arquétipos eternos como a verdade. Por quê? Porque, não há evolução, diz Wilber. Felizmente, uma nova força da psicologia, psicologia positiva pegou onde Maslow parou. A psicologia positiva é tudo sobre o desenvolvimento de virtudes, explorando os arquétipos atemporais de Platão. Com a psicologia quântica e sua ciência de experiência com base em uma realidade de dois níveis, o conceito de transcendência volta mais uma vez. E o mesmo acontece com os arquétipos atemporais quando percebemos as coisas podem ser atemporais como possibilidades, mas suas representações podem evoluir na realidade manifesta.

No entanto, o trabalho posterior de Wilber tem uma ideia notável: os quatro quadrantes da consciência, eu-isto-nós-istos, uma generalização do modelo anterior de Descartes de dois quadrantes Eu-isto (pensador e pensamento) consciência. Isto se tornou a base do que Wilber chama de psicologia integral. Infelizmente, sua atitude anti-ciência continua, o subjetivo e o objetivo, interno e externo não estão integrados em uma base metafísica comum. Psicologia Quântica integral integra todos os quatro quadrantes de Wilber, com uma base metafísica comum a partir do inicio, e retém os conceitos fundamentais de valores de transcendência e atemporalidade, que são necessárias para o crescimento espiritual e eventual iluminação.

 A entrada mais recente na lista de psicologias alternativas é a psicologia de energia (Eden, 1996). Energia aqui significa energia vital que nós experimentamos como o sentimento e a inclusão desta dimensão em psicologia e psicoterapia é um progresso. Ciência quântica da experiência fornece uma base sólida para a psicologia energética. Desta forma, a psicologia quântica baseada na ciência da experiência, pode incluir sentimentos e, portanto, a psicologia energética.

Finalmente, psicologia quântica é inclusiva, que inclui a força materialista da psicologia, bem como – a abordagem baseada em neurofisiologia (explícita ou implícita) cognitiva / comportamental. Não só isso, psicologia quântica traz a psicologia cognitiva um presente, que consiste na solução do paradoxo da percepção já mencionada. Há ainda muitos teimosos que acreditam que um modelo de interação direta do estimulo cerebral de percepção ao invés de tentar estudar o que acontece dentro do cérebro quando nós percebemos como os cognitivistas fazem. O modelo de interação direta evita o paradoxo da percepção. Infelizmente, toda a diversão está em estudar os acontecimentos internos no cérebro e psicólogos cognitivos não estão prestes a desistir disso. Pois então. Felizmente, cognitivistas vai reconhecer o dom quântico.

Psicoterapia  Quântica

Então, como é que todo esse avanço da integração de dicotomias se traduz em novas descobertas para ajudar as pessoas: psicoterapia? É aí que está não é? Psicoterapia agora está mostrando sinais de uma mudança de paradigma. Qual é a contribuição da física quântica para essa mudança de paradigma que nasce?

Tome as psicoterapias mais populares: cognitivo-comportamentais (sem processamento inconsciente, apenas consciente) e da psicanálise (onde o processamento inconsciente é muito importante). Ambos trabalham (ainda que temporariamente), embora sua ênfase é inteiramente nos diferentes domínios da realidade. Mas, obviamente, a neurose não surge prestando a atenção em como os psicoterapeutas têm dividido seus domínios. Portanto, faz sentido que uma terapia, que iria trabalhar simultaneamente, tanto para domínios de inconsciente e consciente, seria mais eficaz. Isto é o que ter um guarda-chuva da psicologia quântica, permite ao terapeuta fazer benefícios para o cliente.

A mesma observação se aplica a combinação e integração de outras abordagens também. Ken Wilber, através de suas filosofias separatistas criou um monte de briga entre a abordagem da psicologia transpessoal à terapia (que enfatiza o processamento consciente) e abordagem junguiana ou psicologia profunda (que enfatizam o processamento inconsciente) em geral. Ambos são úteis para explorar a saúde mental positiva, mas, quanto melhor seria se uma combinação das técnicas de ambos e simultaneamente ambas estratégia enfatizadas. Isto é precisamente o que a psicologia quântica nos permite fazer.

E isso é precisamente onde há algum movimento (mudança de paradigma?) Está ocorrendo em psicoterapia. Técnicas tradicionais, como a meditação, projetada para o crescimento espiritual, estão sendo aplicadas em todas as formas de psicoterapia para os clientes da psicopatologia, bem como de bem-estar positivo. Psicologia Quantica deixa claro por que a meditação é útil ao longo de um amplo espectro de auto-consciência. Psicologia quântica, também, mostra que se a meditação é reconhecida como uma parte do processo criativo prolongado, em seguida, que realmente pode melhorar o resultado das terapias.

Um problema com todas as terapias que prevalecem, é que o sua cura efetiva é temporária. É raro alguém que, realmente, curado pela psicanálise como James Hilman regiamente queixou-se em um livro notável há um tempo. E o mesmo se aplica à terapia comportamental / cognitiva também. Apenas alguns dos modelos humanistas de terapia, se tomam frutíferas, alcançam a cura duradoura. Isso é porque eles estão usando todo o processo criativo (não fragmentada), como psicologia quântica propõe a fazer.

Outra área de terapia que está finalmente ganhando alguma atenção agora é a inteligência emocional, a capacidade de manipulação de emoções, especialmente as negativas, como raiva. Mas, como você lida com emoções (sentimentos mais pensamentos), quando o modelo assume que ambos os pensamentos e sentimentos são baseados no cérebro? Sim, o cérebro límbico desempenha um papel importante aqui, mas na medida em que os circuitos cerebrais estão em causa, pensamentos e sentimentos estão todos misturados como emoções. Para explorar sentimentos puros de modo que você pode considerar dando um novo significado para eles é explorar o corpo físico, especialmente os centros do corpo de sentimentos puros (os chakras). Esta é a ênfase da psicologia da energia quântica que endossa a psicologia, explica, incorpora e expande. Desta forma a psicoterapia quântica abre o caminho para a verdadeira inteligência emocional. 

Psicologia e Espiritualidade

Até agora temos discutido crescimento espiritual dentro do contexto de crescimento psicológico, por exemplo, o crescimento mental, autoconhecimento, a capacidade de estar consciente de estar consciente no passado. Uma questão importante é, pode-se atingir o crescimento espiritual, sem prestar atenção ao crescimento psicológico?

Para ver a relevância da questão, cabe a você olhar para ele a partir do ponto de vista de outra cultura. A razão é que a cultura ocidental contemporânea trabalha com supressão das emoções. Isto requer algum crescimento psicológico antes de se aproximar espiritualidade, porque o inconsciente é todo confuso com emoções reprimidas e se você se lembra, o inconsciente é a sede da plenitude. Para outras culturas, por exemplo, na Índia, a cultura permite a expressão da emoção. Ruim para o meio ambiente, também cria todos os tipos de dependência que os ocidentais abominam, mas muito saudável para o inconsciente que pode permanecer puro.

Eu cresci na Índia e tenho pesquisado a vida de muitos grandes mestres espirituais da Índia. É bastante surpreendente (e divertido) como “emocionalmente imaturo” alguns dos mestres indianos parecem ser do ponto de vista ocidental. Por exemplo, tomemos o caso do grande Ramana Maharshi. O autor Paul Brunton (e muitos outros) cantaram em louvor na companhia Ramana, como se apenas por estar em sua proximidade, tinha o poder de aquietar a mente confusa de alguém! No entanto, há registros de que Ramana costumava ficar tão chateado com o comportamento de um “discípulo” que ele não iria falar com ele por alguns dias. Da mesma forma, a grande Ramakrishna era conhecido por ter episódios de sofrimento emocional, se seu discípulo favorito Vivekananda, não aparecesse por um período de tempo, tanto que alguns historiadores espirituais têm visto sinais de homossexualidade na relação desses dois grandes nomes espirituais!

E a verdade surpreendente é que, mesmo no Ocidente, pelo menos no passado o crescimento espiritual foi perseguido sem prestar atenção ao crescimento psicológico. Eu conheci um tal mestre espiritual Franklin Merrell-Wolff quando ele tinha 97 anos e morava em um rancho/ashram acima uns 6000 pés na Serra oriental perto de uma pequena cidade chamada Lone Pine. Tudo bem, então eu fui convidado para dar uma palestra sobre física quântica em seu rancho em 1983. Mais tarde, sentei-me com ele no jantar. Ele parecia ser uma pessoa bem-humorada, com um grande senso de humor, mas em questão de meia hora, ele repetiu suas histórias “engraçado” e então eu pensei: “Ah, um pouco de senilidade.” No entanto, eu gostei do homem e assim, quando o convite foi estendido a mim e minha esposa a voltar para a fazenda para uma estadia de um mês de duração, prontamente aceitei.

Você tem que entender, eu não era um campista feliz naqueles dias. Teoria da medição quântica ainda estava sem solução. Minha esposa estava profundamente infeliz com a minha preocupação, principalmente intelectual que aumentada minha infelicidade também. Portanto, neste estado, fomos para o rancho, verão de 1983, enquanto relutava o tempo todo, mesmo quando nos dirigimos.

Tentei conversar com o Franklin sobre física quântica, mas o companheiro parou friamente com uma réplica, “a física quântica me dá dores de cabeça!” Mas eu gostava do cara e eu estou lá com mais nada para passar as longas tardes! Então eu sentei com Franklin em seu jardim de leitura enquanto ele cochilava. Isso continuou por cerca de uma semana.

Enquanto isso, eu estava ouvindo rumores sobre um “agradável” físico quântico que visitaria o rancho. Obviamente, eu estava curioso para conhecer o cara, mas não tive essa sorte. Então, numa manhã, como eu entrei na sala de café da amanhã, as pessoas foram claramente falando sobre isso, um físico quântico agradável, mas a conversa parou no instante em que entrei. Então eu soltei: “Eu sei que há um outro físico quântico visitando aqui e ele é agradável. Gostaria de conhecê-lo. “E todo mundo caiu na gargalhada. Naquele momento, eu percebi que eles estavam falando de mim, o físico infeliz! Mas então, eu olhei para mim mesmo e descobri que eu estava feliz. Sim, você poderia me sentir tão agradável. Mas o que causou a transformação? Então, as pessoas me explicaram a indução da felicidade, que teve lugar através, de apenas, de estar sentado próximo de Franklin.

Voltar para a razão pela qual eu estou contando essa história. É um fato registrado que esse mesmo Franklin se desmoronou emocionalmente quando sua segunda esposa morreu. Imaturidade emocional! Sim. Pode ser um “iluminado” sem a maturidade emocional? Também, sim!

Portanto, a resposta empírica para a pergunta, “o crescimento espiritual pode ser prosseguido sem prestar atenção ao crescimento psicológico?” É um retumbante sim. O que a psicologia quântica tem a dizer?

Lembre-se, temos o corpo material, a psique sutil, e, em seguida, todo o inconsciente, que eu às vezes chamo de “corpo da felicidade”, mas as tradições chamam de corpo causal. A Psicologia Quântica aprova claro, porque o inconsciente inteiro é de fato não-local, a fonte da causação descendente. E por reconhecer a independência causal do inconsciente, a psicologia quântica prevê que podemos continuar purificando o inconsciente de toda a negatividade que preenche e evita a plenitude. Uma maneira de evitar a negatividade é a inteligência emocional, o aumento da autoconsciência psicológica, etc. sem dúvida. Mas uma outra maneira é viver isolado, sem ter que sofrer com qualquer estímulo que produzem reações emocionais. Esta é a receita antiga de como a renúncia espiritual deveria funcionar. Se nos lembrarmos disso, ainda podemos fazer este caminho rápido para a espiritualidade viável e beneficiar a sociedade. Isso funciona para todos? Existe um pré-requisito? Estes são os tipos de perguntas que a psicologia quântica pode responder a contento de todos. O pré-requisito é uma perda do apego das realizações no mundo manifesto das experiências (a vida é sofrimento de tédio!) como o Buda empiricamente descobriu há milênios.

Agora que a Psicologia Integral está na mão, e agora? Ativismo Quântico Psicológico.

Há um perigo no que está acontecendo com a ciência materialista, especialmente com a psicologia e a sociologia, que disfarçadamente está matando a individualidade do espírito humano, que fez com que o Ocidente, especialmente na América, mas poucas pessoas percebem isso. Psicologia materialista é objetiva, para materialistas seria melhor se todos fossem apenas sujeitos comuns, Joe ou Jane, pois a predição e controle seriam bem mais simples. As psicologias alternativas, psicologia, especialmente a profunda, a psicologia humanista e psicologia positiva promovem e defendem o indivíduo, através da ênfase da busca criativa dos arquétipos atemporais. A abordagem comum em qualquer posição, seja ciência cognitiva / comportamental ou do tipo de Ken Wilber, da psicologia integral, que tenta minar os antigos arquétipos é, finalmente, a maior ameaça à individualidade humana, o sonho humano de sucesso na busca de sentido.

Como James Hillman disse, “[Usualmente] ativismo olha para os fatos, a psicologia quântica indaga em essências”. Profundo Psicólogos já falam sobre o ativismo arquetípico. Se não salvar os arquétipos absolutos da verdade eterna, temos notícias na Fox News. Psicologia Quântica tem uma sugestão ainda mais geral: o ativismo quântico. O lema do ativismo quântico é mudar a si mesmo para se destacar em sua individualidade (Carl Jung chamou este processo de individuação) e, simultaneamente, ajudar a sociedade a tornar-se uma coleção de indivíduos humanos heterogêneos, não máquinas homogêneas!

Na psicologia quântica reconhecemos a importação completa do que o psicólogo humanista, Carl Rogers primeiro deu a entender: tornar-se uma pessoa, precisamos ser o orgulhoso produtor criativo de uma nova ideia, essa é a minha ideia. Até que isso aconteça, enfrentá-lo: estamos apenas repetindo e análise de ideias e opiniões das outras pessoas. Para tornar-se uma sociedade quântica temos que mudar a essência da sociedade do condicionamento à criatividade, temos que ajudar os outros na sociedade como pessoas criativas.

E se alguém tem uma neurose tão grave que a criatividade é impossível, o rigor do processo criativo é insuportável. O psicoterapeuta quântico tem a oferecer para uma pessoa o seu talento criativo. Se não você, quem o fará? Lembre-se que os terapeutas cognitivos / comportamentais sempre tentam adaptar os seus clientes para o complexo cultural estabelecido.

Como fazê-lo? A física quântica nos deu duas ideias com as quais com o qual deseja se deslocar de “Eu” para “Nossa” consciência. A primeira ideia é não-localidade. Quando estou influenciando alguém através de meios de comunicação locais, tento homogeneizar a pessoa comigo – simples da natureza humana. Quando eu me comunico com alguém com a consciência não-verbal e não-local, eu lhe capacito com o poder criativo da causação descendente da consciência não-local que conecta todos nós.

Você já percebeu como na cultura atual, como a localidade assumiu nossos meios de comunicação? Localidade nos dá um senso de conexão, essa parte é boa. Mas, a tendência é para homogeneizar o problema. Devemos usar o local para se conectar, mas usar a conexão para acionar e explorar a nossa consciência não-local, para todos nós podemos prosperar individualmente.

Para o terapeuta, o que funciona melhor é estabelecer uma ligação hierárquica emaranhada com o cliente e investigar o arquétipo da totalidade juntos. Se isso soa intrigante, não é tão difícil, você vai ver quando você tentar.

Ken Wilber (2000, 2004) nos deu a ideia de uma consciência de quatro quadrantes, que introduziu a ideia de “nós” da psicologia. Infelizmente, Wilber se referiu ao “nós” cultural, ao nós local, homogêneo. Psicologia quântica é muito mais ambiciosa, muito mais em sintonia com o propósito criativo da evolução da consciência.

O poeta John Keats escreveu:

“Ver o mundo como um vale para fabricar almas.”

Se você fizer isso, ele escreveu a um amigo, você verá o proposito do mundo. A alma é o nosso corpo arquetípico, o corpo que não pode se manifestar ainda, exceto através da criatividade mental. Enquanto somos criativos, e ajudar os outros a serem criativos, estamos bem, estamos na fabricando almas.

Por Amit Goswami

leia o arquivo original (Inglês)

adobe

2 comentários

  1. Por favor, teria algum material especialmente relacionando a física quântica com a terapia cognitiva comportamental.? Se tiver, pode me enviar? Gratidão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE