quarta-feira , 17 outubro 2018
Capa » Educação » ÉTICA E CIDADANIA – É POSSÍVEL TER UMA ESCOLA PARA FORMAR CIDADÃOS.

ÉTICA E CIDADANIA – É POSSÍVEL TER UMA ESCOLA PARA FORMAR CIDADÃOS.

Teia 1Acreditando ser possível a escola formar pessoas mais aptas a viver em sociedade, observei a importância do envolvimento das pessoas, pois para promover o exercício da ética é fundamental a participação, pois, trata-se de uma necessidade Humana e participar nunca é sozinho, exige nosso envolvimento com outros indivíduos. Dessa forma, o interesse próprio pertence, também, a outros Homens que necessitam se aliar para obterem seus interesses satisfeitos, ou seja, o Homem passa a praticar a Ética em vários segmentos da Sociedade.

Quando falamos em ética, não podemos nos esquecer do problema educacional, principalmente o escolar, alvo de criticas constantes da sociedade. Esta prefere responsabilizar a escola por um papel onde ela própria tem participação ativa, mas ignora. Realmente, a escola tem um papel importante na formação do indivíduo, principalmente, por ser um contexto repleto de diferenças culturais, étnicas e sociais, independente de ser publica ou privada, cabe a ela dotar o indivíduo de habilidades para o convívio com os demais. Apesar de estar inserida num contexto capitalista neoliberal onde os valores individuais são medidos pela individualidade e a competição, cabe à escola, também, o papel de preparar o indivíduo para viver nesse meio, ser um cidadão!

Neste caso, a educação tem como objetivo elevar o nível das exigências dos valores universais ou da ética na comunidade, restou-me pesquisar como isso pode ser feito no ambiente escolar, quais e como deveriam ser os valores a serem ensinados aos alunos, de forma se tornarem pessoas mais participativas, mesmo mergulhadas num mundo capitalista neoliberal que premia a individualidade e a competitividade.

Ocorreu-me a ideia da existência de valores universalmente aceitos e, fazendo uso de pesquisas, encontrei informações sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), cujo objetivo foi encontrar uma forma de resolver as diferenças sociais entre os países, por isso, foi elaborada, pela ONU em 1948. Apesar de existirem muitas criticas ao seu conteúdo, identifiquei que valores como liberdade, igualdade e justiça podem ser facilmente trabalhados em sala de aula.

Trabalhar com valores universais que possam ser ensinados em sala de aula, parte da premissa da mudança, a escola precisa se renovar constantemente, rever suas tradições, para se tornar um espaço dinâmico e respeitado pela sociedade. Por isso, para o exercício da ética é fundamental a participação do aluno, da escola e das instituições sociais.

Para promover esta mudança na educação é preciso que os profissionais da educação assumam uma postura acadêmico-científica que leve à reinvenção da educação. O modelo educacional atual quer seja aplicado na escola ou na universidade, foi consolidado no século XIX e agora têm que dar conta, também, das novas demandas e necessidades de uma sociedade democrática, inclusiva, repleta de diferenças sociais e pautadas no conhecimento inter, multi e transdisciplinar.

Logicamente, o processo de reinvenção da educação precisa estar atento à tradição e a conservação, por serem partes essenciais da missão social de educar, de conservar, transmitir e enriquecer o patrimônio cultural e científico da humanidade. Dessa forma, procura defender a busca por novas formas e modelos educativos, observando que o novo não se assenta sobre o nada e sim sobre as experiências humanas acumuladas ao longo da história da humanidade.

Proponho que haja liberdade para pensar e estimular a dialética utilizando a razão para promover a discussão sobre os principais conflitos sociais, dotando o indivíduo de habilidades que lhe permitam exercer suas ações no trabalho, na cultura, na politica e na convivência social. Necessariamente, precisamos pensar na democratização da educação, tanto em termos de acesso como permanência, evitando assim a evasão escolar. Além disso, há necessidade que o corpo docente também passe por esse processo, através da participação dos alunos e da sociedade na escolha dos seus dirigentes.

Para quem quiser mais informações e ou discutir mais sobre o assunto, estou disponível para trocarmos ideias e experiências. Quem quiser o trabalho completo que traz referencias bibliográficas sobre o assunto, é só entrar em contato comigo que mando uma cópia.

Por Renato Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE