sexta-feira , 25 Maio 2018
Capa » Educação » Educação Infantil de qualidade pode alavancar Ensino Médio

Educação Infantil de qualidade pode alavancar Ensino Médio

Fuvest e Enem não são sinônimos de educação. Tampouco o Ensino Médio o é. Em tempo de crescimento econômico e crise de mão de obra qualificada uma onda de inconsciente coletivo costuma a apontar essa etapa como a única chave para a formação completa de cidadãos e trabalhadores adultos – “felizes e bem sucedidos”.

Não é tarde lembrar que os mais recentes estudos da neurociência apontam para o período de zero a cinco anos como o mais importante na formação cognitiva; é justamente nessa etapa que cerca de noventa por cento da complexa rede neuronal é formada.  A pergunta que paira no ar, esquecida nas vésperas dos vestibulares é: será essa a gestão do MEC que vai votar na Educação Infantil a importância merecida?

Alguns estados norte-americanos recentemente reduziram o investimento na chamada educação dos primeiros anos (ou da primeira infância) e sofreram as consequências. Em Long Island, por exemplo, de acordo com o último senso, há apenas  metade das vagas necessárias em escolas públicas de educação infantil, o que faz com que os moradores gastem dinheiro que muitas vezes não têm nas instituições privadas – aumentando o endividamento.

Já o Havaí, terra natal do presidente Barack Obama, foi ambicioso e inteligente ao tecer políticas públicas. Um censo pré-natal é aplicado anualmente à população do arquipélago. Os pais, antes mesmo de terem dado à luz, se reúnem nas comunidades, com governos locais, para pensar a educação dos filhos nos próximos anos e projetam como serão as classes em 12 ou 13  anos. A prática é reconhecida como “educação pré-natal”.

O Canadá já deixou há tempos de chamar as professoras de “tia”. A formação dessas profissionais é a mais dispendiosa dentre todas as carreiras daquele país. O governo acredita no óbvio: crianças bem desenvolvidas ajudam futuramente no aprendizado de toda a classe. Uma classe com alunos bem formados acelera e sofistica o aprendizado, alavancando assim as marcas nacionais do próprio Ensino Médio.

Para avaliar como anda o desenvolvimento cognitivo das crianças e projetar políticas públicas futuras , a região canadense da British Columbia desenvolveu um indicador denominado Early Development Instrument (http://earlylearning.ubc.ca/edi/). Trata-se de um questionário elaborado por universidades,  aplicado somente a profissionais que tem intimidade com as crianças.

O mais complexo é que essa não é meramente uma questão escolar, e sim uma questão que tangencia comunidade, família e também escola. Nesse sentido, a organização não governamental Early Year Institute  (http://www.earlyyearsinstitute.org/) tem sido reconhecida internacionalmente por estimular brincadeiras, atividades e  outras práticas em comunidades, bem como a troca de experiências.

O Brasil brigou para encaixar as creches na criação do Fundeb, mas os recursos da União e sua capacidade de atuação na primeira infância são pífios. A questão da municipalização deixou ainda mais confuso e corrupto os repasses de verba.

Mas a principal falta de atenção a essa questão (que hoje é publica, social e privada) vem da vocação “terceiro mundista” que as políticas públicas ainda carregam no seu bojo: estamos descobrindo as “novidades” sempre com dez anos de atraso em relação ao resto do mundo. Os indicadores estão começando se firmar e diretrizes políticas ainda não tem solidez para a educação dessa faixa etária. Mal sabemos quem são as nossas crianças, ou como elas se desenvolvem.

Nesse ritmo, não haverá Ensino Médio capaz de acelerar nossos índices de escolarização e desenvolvimento.

Por Alexandre Le Voci Sayad



 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE